Sistema de Recibos Verdes Electrónicos

SISTEMA DE EMISSÃO DE RECIBOS VERDES ELECTRÓNICOS

Já está disponível no Portal das Finanças (www.portaldasfinancas.gov.pt) o serviço de Emissão de Recibos Verdes Electrónicos sendo totalmente gratuito e seguro. 
O novo sistema elimina as despesas com aquisição das actuais cadernetas, e com os procedimentos da sua aquisição, bem como de emissão, envio e conservação dos recibos. 
A emissão do recibo só pode ser efectuada através de sessão segura, com introdução do número de identificação fiscal e da respectiva senha de acesso.

A utilização do novo sistema será obrigatória, a partir de 1 de Julho de 2011, para os contribuintes que já actualmente são obrigados à entrega das declarações de IRS e de IVA por via electrónica, sendo facultativa para os restantes.

Logo que seja emitido pelo prestador do serviço, o recibo verde electrónico fica imediatamente disponível para o destinatário (o adquirente do serviço prestado) que o poderá consultar, no mesmo Portal das Finanças, mediante inserção da sua senha de acesso, bem como efectuar uma cópia em papel ou em formato electrónico. O novo sistema além da emissão do recibo, é também um sistema de envio electrónico imediato para os adquirentes ou clientes, bem como de gestão pelos utilizadores (prestadores de serviços e adquirentes) que passam a poder consultar todos os recibos emitidos, recebidos e anulados, através do Portal das Finanças, a todo o tempo.
A DGCI pretende contribuir para a eficiência da economia e para diminuir os custos de cumprimento das obrigações fiscais.
Pode obter mais informações através do CAT da DGCI, pelo telefone 707 206 707 ou em qualquer serviço de Finanças.

Veja abaixo as Respostas às 
Perguntas 
Frequentes (FAQ) sobre o assunto:

01

Quem está obrigado à emissão do recibo verde electrónico?

 

Os sujeitos passivos titulares de rendimentos da categoria B obrigados ao envio da declaração periódica de IVA ou da declaração de IRS por via electrónica.

 

02

Onde ficam disponíveis os recibos verdes electrónicos?

 

Após a emissão do recibo verde electrónico, este fica disponível para consulta e impressão, quer pelo prestador do serviço, quer pelo adquirente do serviço. 
Os recibos ficam disponíveis para consulta no Portal das Finanças durante o período de cinco anos.

 

03

A quem se destinam os recibos verdes electrónicos?

 

O sistema emite o original e o duplicado do recibo. O original destina-se ao cliente e o duplicado ao arquivo do titular do rendimento.

 

04

Impossibilidade de emissão do recibo verde electrónico?

 

Nas situações em que não seja possível emitir por via electrónica o recibo, os sujeitos passivos podem, antecipadamente, no Portal das Finanças, obter recibos sem preenchimento. 
Estes recibos contêm a data de impressão e são numerados sequencialmente e devem ser recolhidos para o sistema até ao 5.º dia útil seguinte ao da data de prestação do serviço. Trata-se, igualmente, de recibos verdes electrónicos. 
O sistema anula automaticamente todos os recibos emitidos sem preenchimento que não tenham sido recolhidos para o sistema até ao final do prazo para entrega da declaração de IRS.

 

05

Anulação do recibo verde electrónico

 

Os emitentes de recibos verdes electrónicos podem anular os recibos até ao final do prazo de entrega da declaração de IRS (n.º 1 do artigo 60.º CIRS).
A anulação do recibo é comunicada por carta simples ou por e-mail ao adquirente do serviço. Esta anulação conduz a que o recibo em posse do adquirente deixe de poder ser utilizado como comprovativo dos custos suportados.

 

06

Quem pode continuar a emitir recibos verdes em suporte de papel?

 

Os titulares de rendimentos da categoria B que não estão obrigados ao envio da declaração periódica de IVA ou da declaração de IRS por via electrónica, podem adquirir nos Serviços de Finanças recibos (original e duplicado) em suporte de papel, sem preenchimento. O número máximo de recibos verdes que podem adquirir é de 50 ao custo unitário é de € 0,10. 
Estes contribuintes podem, se assim o desejarem, emitir recibos verdes electrónicos através do Portal das Finanças. Neste caso, fiquem sujeitos às regras gerais de emissão do recibo verde electrónico até ao final do ano em que procedam à emissão de recibos por esta via. 
Não é permitido, durante o mesmo ano a que respeitam os rendimentos, utilizar ambos os regimes ou seja emitir recibos electrónicos no Portal das Finanças e emitir recibos em papel adquiridos nos Serviços de Finanças. 

 

07

Acto Isolado

 

Os titulares de rendimentos provenientes da prática de acto isolado podem, também, emitir electronicamente o recibo de acto isolado, no Portal das Finanças.

 

08

Regime transitório

 

No período compreendido entre 1 de Dezembro de 2010 e 30 de Junho de 2011, a emissão do recibo verde electrónico no Portal das Finanças é facultativa. Por isso, durante esse período, os titulares de rendimentos da categoria B ou emitem recibos verdes electrónicos ou emitem os recibos em papel, quer do modelo aprovado pela Portaria n.º 879-A/2010, quer do modelo 6, aprovado pela Portaria n.º 102/2005.

 

09

Utilização das cadernetas de “recibos verdes”, modelo aprovado pela Portaria n.º 102/2005

 

As cadernetas de recibos do modelo 6, aprovado pela Portaria n.º 102/2005, podem continuar a ser utilizadas até 30 de Junho de 2011. A partir desta data, os sujeitos passivos não obrigados à emissão do recibo por via electrónica e que optem pela não emissão por esta via, devem utilizar os modelos oficiais do recibo designado de recibo verde electrónico, aprovado pela Portaria n.º879-A/2010, que são adquiridos em qualquer Serviço de Finanças ao custo unitário é de € 0,10.


Fonte:  
MIQ – Missão para a Qualidade. Dúvidas ou esclarecimentos deverão ser endereçados 

Actualizado em 2010/Dez